12 de junho de 2015

Pele

A. Birto


Quero uma tarde eterna de mar
e navegar por entre a pele 
da tua alma sem rumo.

Maria de Lurdes Melo
Não Gritaste Por Mim, Meu Amor...



Se partires, não me abraces – a falésia que se encosta
uma vez ao ombro do mar quer ser barco para sempre
e sonha com viagens na pele salgada das ondas.

O Canto do Vento nos Ciprestes



7 comentários:

UIFPW08 disse...

Linda foto Ines. Um beso grande
Bom fin de semana
Morris

A.S. disse...

Na pele do poema
gritam as palavras... de desejo!...


Beijo,
AL

Primeira Pessoa disse...

O poema me queima a pele.
Shhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh.....


Beijão,

R.

Duarte disse...

Boa seleção de poemas, como sempre.
O que bem define o teu grau de sensibilidade.
Abraços de vida, querida amiga

sant'ana disse...

Lindo.


Vais voltar?

O Profeta disse...

Oiçam este poeta de tostão
Que já prometeu e pediu uma mão
Oiçam a palavra salgada de saliva
Não tenho muito lugar, em ti, paixão


Passei para te desejar uma radiosa semana

Doce beijo

UIFPW08 disse...

Besos
Morris